Tudo sobre os Projetos Sociais desenvolvidos pelo Colégio Anglo-Brasileiro

Química Empresarial: 9º ano vai ensinar jovens da Paciência Viva a produzir cosméticos

Responsabilidade social é um conceito indispensável para empresas que querem crescer com sucesso e compartilhar seus valores, beneficiando uma coletividade. Os jovens empreendedores da Aloha (9º Si) e Kosmos (9º Se), as corporações do Química Empresarial, estão atentos ao conceito e o incluíram nas suas iniciativas. Na próxima semana, as turmas vão receber jovens da ONG Paciência Viva para compartilhar com eles tudo que estão aprendendo no projeto.
Cinco jovens da Paciência Viva, instituição parceira do Projeto Social do Anglo, virão ao colégio para conhecer de perto as atividades do Química Empresarial. Na terça-feira, 15, os alunos do 9º ano vão apresentar o projeto e falar sobre as etapas de abertura e desenvolvimento da empresa, como a criação das logomarcas e as pesquisas de opinião com o público para definir a produção.
Na semana seguinte, dia 24 de agosto, o grupo irá ao laboratório de Ciências aprender com os nossos alunos as técnicas de produção de sabonetes, perfumes e outros cosméticos. “As turmas vão mostrar como é o processo produtivo no laboratório, com os equipamentos e as matérias-primas que temos aqui, mas, também, vão apresentar alternativas de substituição de alguns utensílios por outros mais acessíveis e que não alteram a qualidade do produto final. Esse cuidado será tomado para que a fabricação desses produtos em outros locais não seja inviabilizada”, destacou a professora de Ciências, Carol Freitas. Após esses encontros, os jovens da Paciência Viva estarão aptos a compartilhar o conhecimento com outros adolescentes atendidos pela ONG.
Apoio ao Martagão Gesteira – Além da parceria com a Paciência Viva, a turma do 9º Se escolheu ajudar, também, o Hospital Martagão Gesteira. Os alunos vão criar uma linha especial de produtos, cujo valor arrecadado com a venda será totalmente doado para a instituição médica.
Conheça o projeto – Coordenado pela professora de Ciências, Carol Freitas, e pelo professor de Matemática, Wellington Marinho, o projeto Química Empresarial transforma os estudantes em jovens empresários do mercado de cosméticos. Ao longo de todo o ano letivo, os alunos do 9º EF II vivem uma experiência de empreendedorismo, com todos os desafios e responsabilidades de montar o próprio negócio. As turmas já começaram a vender as ações. A expectativa é que, na próxima semana, tenha início a etapa de compras de matérias-primas para a fabricação dos cosméticos.
Ao final, a produção será comercializada numa feira realizada no colégio. O lucro obtido será repassado aos acionistas (capital investido somado a 30% de rendimento), usado em atividades escolares dos próprios alunos como o Jantar das Nações e a formatura ou confraternização de encerramento do 9º ano, ou ainda doado aos Projetos Sociais apoiados pelo Anglo.
Anúncios

Projeto Social: Anglo e TETO ampliam parceria e construirão duas casas em novembro

A parceria com do Projeto Social do Anglo com a ONG TETO Brasil foi renovada este ano e trouxe uma grande novidade: nosso desafio será dobrado porque vamos construir duas casas! “Isso é inédito nas escolas”, comemorou a coordenadora do nosso Projeto Social, professora Cristina Abrunhosa. A construção acontece em novembro.
A construção de moradias emergenciais em comunidades de extrema pobreza é uma das ações da TETO, presente em 19 países da América Latina. Todos os anos, a ONG oferece a alunos de diferentes escolas a oportunidade de participar da atividade. Para cada casa construída, dez jovens estudantes e um adulto se voluntariam para pôr as mãos na massa e trabalhar junto com os representantes da ONG e moradores da comunidade. No Anglo, como serão duas moradias, 20 alunos terão a chance de participar da experiência.
Parte do grupo que participou da construção em 2016
A atividade é uma imersão. Os voluntários passam um final de semana construindo a casa e conhecendo a realidade local. Eles participam de discussões sobre os problemas enfrentados pela comunidade e debatem sobre como seria possível transformar a vida das pessoas.
Para conseguirmos levantar as duas casas, vai ser preciso arrecadar R$ 13 mil. E toda a comunidade escolar pode colaborar. Desde o início do ano, as turmas do 2º EM vêm realizando ações para juntar o dinheiro necessário. Os alunos prepararam doces e geladinhos, que venderam durante os intervalos e em eventos como a Manhã de Lazer, e espalharam cofrinhos pelas salas de aula para que os colegas possam contribuir.
A casa emergencial tem 6,1 x 3 m e é feita de madeira. O imóvel não é uma solução definitiva para a falta de moradia. É apenas o primeiro passo para o trabalho em conjunto. A ideia é que, com uma habitação mais digna, as famílias possam readquirir sua autoestima e começar a batalhar por mais qualidade de vida e um melhor lugar para morar.

Alunas compartilham experiência em construção na TETO Brasil com colegas do Ensino Médio

A parceria entre o Anglo-Brasileiro e a ONG TETO Brasil foi fechada com chave de ouro! Um grupo de 10 alunas do 2º ano do Ensino Médio, junto com a professora Cristina Abrunhosa, que coordena as ações do Projeto Social, pôs as mãos na massa e construiu uma moradia emergencial para uma família da comunidade Paz e Vida, no bairro de Santo Inácio. Na semana passada, as meninas falaram sobre a inesquecível experiência aos colegas do 1º e 2º EM.
No auditório, as dez alunas que participaram da intervenção – Beatriz Costa, Betina Braga, Elisa Oliveira, Fernanda Stringuetti, Jullia Correia, Luanna Mello, Luisa Nogueira, Samitha Leal, Sofia Madeira e Vitoria Avelar – falaram sobre as ações que foram realizadas no colégio para arrecadar R$ 6.500,00, valor necessário para a construção. As turmas do 2º EM organizaram bazares, vendas de doces, rifas, barracas de jogos, pediram doações, entre outras ações.
Elas também contaram sobre a rotina nos dias que permaneceram na comunidade. O grupo acordava cedo, participava de atividades de formação com os monitores da TETO e estudantes de outros colégios, nas quais se discutiu sobre Meritocracia, e passava o restante do dia trabalhando pesado.
Sob sol e chuva, todas cavaram buracos, carregaram peso e contribuíram com sua força de trabalho para dar mais dignidade a uma família. As alunas construíram uma casa para Ingrid, uma jovem mãe que mora com seu marido e um bebê recém-nascido. “Foram momentos muito ricos, que nos fez pensar sobre o significado da vida, nos fez rever nossos valores e nos mostrou que podemos, sim, transformar e fazer coisas bacanas de modo prazeroso”, disse Cristina.
Vitória contou que teve um choque de realidade muito grande. “É chocante chegar e ver famílias iguais a sua morando em barracos de madeira, usando um banheiro comunitário. As condições de moradia são desumanas. Tiramos uma parte da casa antiga de Ingrid e saiu um monte de bichos, baratas, aranhas. São animais que muitos de nós temos medo ou nojo, mas eles têm que conviver com isso”, relatou. Elas também destacaram a solidariedade dos moradores. O grupo pôde ver que eles têm uma noção de comunidade muito grande e se ajudam sempre que preciso.
Para Fernanda Stringhetti, a experiência foi uma possibilidade de ver de perto uma realidade que todos sabem que existe, mas poucos têm a noção real do que realmente é. “Estar lá e poder vivenciar coisas que eles vivenciam valeu muito a pena. A gente pôde perceber o quanto somos privilegiados e o quanto podemos ajudar. Somos uma pequena parcela da população que se preocupa com o outro, com a qualidade de vida do outro, e estamos exercendo um pouco do nosso papel de cidadão”, disse Fernanda.
Para Jullia, o aprendizado fica para a vida inteira. “É uma mudança de visão. Quando você chega em casa à noite e olha para o seu quarto, não é a mais a mesma coisa. Eu esperava ver o que eu vi, mas não esperava senti o que eu senti lá”, comentou.
No final de semana seguinte à construção, parte das alunas voltou à Paz e Vida, acompanhadas da diretora e professora Áurea Lima, para dar mais cor à comunidade. Elas cumpriram mais uma etapa da ação da TETO e participaram da pintura da casa.
A ex-aluna Anglo Beatrice Santigo, que é voluntária na TETO Brasil, acompanhou a parceria no colégio desde o iníco e foi convidada pelas alunas para falar sobre sua vivência na ONG. “Sempre me incomodei com os preconceitos relacionados à desigualdade e me identifiquei totalmente com a TETO. Eles estão empenhados na mudança todo os dias, é um espaço muito acolhedor onde não se tolera nenhum tipo de discriminação. Acho bacana o Anglo ter abraçado essa causa”, ressaltou.
Parabéns, meninas! A experiência foi realmente transformadora. Ano que vem, a parceria continua.

Alunos do 7º P visitam Obras Sociais Irmã Dulce em saída do Projeto Social

Dando sequência ao calendário de visitas, o Projeto Social do Anglo realizou mais uma saída. Desta vez, os alunos do 7º ano P do Ensino Fundamental II conheceram o trabalho realizado pelas Obras Sociais Irmã Dulce e descobriram muitos fatos sobre a vida da beata baiana num passeio pelo Memorial construído em sua homenagem.
A professora Cristina Abrunhosa, coordenadora do Projeto Social, e a estagiária Dulciana Lima acompanharam os alunos. “Foi uma saída muito prazerosa. O foco não é apenas na questão religiosa e o assistencialismo. Os guias do local, que falam com uma linguagem muito apropriada e interessante, reforçam muito a questão dos valores, da solidariedade, o pensar no outro”, comentou Cristina. A professora destacou que Irmã Dulce faz parte da história da Bahia e muitos alunos conhecem pessoas que tiveram contato com ela ou conviveram com a freira.
No Memorial, os alunos viram o leito em que Irmã Dulce faleceu, objetos pessoais, fotografias e o hábito usado por ela. Ao final do passeio, a turma também assistiu a um documentário e participou de uma dinâmica de grupo. “Eles retiravam objetos de dentro de uma caixa e tinham que relacioná-los com o que foi dito sobre Irmã Dulce”, explicou Cristina.
Os alunos ainda tiveram a oportunidade de encontrar e conversar com uma senhora que conheceu Irmã Dulce e frequenta as Obras Sociais há mais de 40 anos. Aos 87 anos, Dona Irá, moradora do bairro de Brotas, vai todos os dias às Obras Sociais com o objetivo de dizer palavras de conforto aos pacientes. “Você só pode dar amor se você receber. Minha missão é dar amor”, disse Dona Irá.
Conheça o Memorial
Inaugurado em 1993, o Memorial Irmã Dulce é uma exposição permanente sobre o legado de amor e caridade da religiosa, reunindo mais de 800 peças que ajudam a preservar e manter vivos os seus ideais. O hábito usado por ela, fotografias, documentos e objetos pessoais são algumas das peças do acervo. O espaço é aberto à visitação de terça a domingo, das 10h às 17h.

Turmas do 6º ano visitam crianças da Creche Béu Machado e Casa da Luz

As turmas do 6º ano do Ensino Fundamental II visitaram a Creche Béu Machado e a Casa da Luz. Teve muita brincadeira, interação e um delicioso lanche coletivo com as crianças do colégio e das instituições. As saídas são parte do cronograma do Projeto Social do Anglo.
As crianças da Béu Machado, localizada na Boca do Rio, receberam a turma do 6º J. Acompanhados pela coordenadora do Projeto Social, a professora Cristina Abrunhosa, e pela estagiária Emilie Hereda, os alunos puderam conhecer a creche, que recebe doações do Free Dress, dia em que os estudantes podem vir ao colégio com a roupa que escolherem desde que contribuam com as instituições apoiadas pelo colégio. “A creche já está habituada a nos receber e sempre nos deixa bem à vontade”, disse Cristina. Eles se divertiram participando de diversas brincadeiras com as crianças presentes.
Na Casa da Luz, que fica no bairro de Canabrava, a animação não foi diferente. “Os alunos do 6º M fizeram brincadeiras, como a dança da cadeira e chicotinho queimado. Foi uma bagunça bacana”, disse Cristina. Os alunos também aproveitaram para levar doações do Free Dress para a creche. Além de Cristina, a professora substituta Malena Cordeiro acompanhou a visita. A turma também pôde bater um papo com um representante da instituição, que falou sobre o bairro, o trabalho voluntário de alguns pais que colaboram com a creche e tirou dúvidas.

Projeto Social: Bazar neste sábado, 27, vai arrecadar fundos para parceria do Anglo com a ONG TETO

Os alunos do 2º ano do Ensino Médio vão promover um bazar no próximo sábado letivo, 27 de agosto. O objetivo é arrecadar fundos para construir, em parceria com a ONG TETO, uma moradia emergencial na comunidade Paz e Vida.
Os pais que vierem ver as apresentações de seus filhos na Mostra de Estudos Culturais poderão aproveitar para contribuir com mais esta ação solidária. Além de brinquedos, livros, roupas e outros objetos, as turmas também irão vender brigadeiros, brownies e geladinhos.
Mais da metade do valor necessário já foi arrecadado. Estamos na reta final! Venha e se junte a nós nessa iniciativa!

Parceria com a ONG TETO: 2º EM já arrecadou metade do valor necessário; Veja as próximas ações

A parceria do Anglo com a ONG TETO está sendo um sucesso! Encabeçada pelas turmas do 2º ano do Ensino Médio, a iniciativa já conseguiu arrecadar R$ 3.313,70, mais da metade do valor necessário para viabilizar a construção de uma moradia emergencial numa comunidade carente de Salvador.
A professora de Sociologia Cristina Abrunhosa, coordenadora dos Projetos Sociais do Anglo, contou que o total já arrecadado será entregue à ONG esta semana. “Nos falta ainda aproximadamente R$ 3.100,00, que é a nossa meta até o mês de outubro”, contou Cristina.
Para alcançar a meta, os alunos do 2º EM realizaram várias ações e já estão planejando outras para as próximas semanas. “Nós organizamos uma rifa, fizemos pinturas e vendemos geladinhos durante a Manhã de Lazer do Ensino Fundamental, fizemos barracas de jogos durante o São João do colégio, colocamos caixinhas nas salas para as pessoas fazerem doações em dinheiro e vendemos bolinhos”, listou Samitha Leal.
Nos próximos sábados letivos, 20 e 27 de agosto, quem passar pelo colégio para conferir a Mostra Cultural do Ensino Fundamental I também vai poder contribuir com a iniciativa solidária. “Vamos fazer bazares e vender doces que não têm na nossa cantina. E a direção já aprovou nossas sugestões e ideias”, comemorou Luísa Nogueira.
Samitha contou que os colegas estão bem animados e vão continuar incentivando que todos no colégio participem. “É só todo mundo se dedicar bastante que a gente consegue cumprir com a meta”, disse.
Todas as ações são acompanhadas por voluntários da TETO, que supervisionam as reuniões. “Eles também nos passam as informações necessárias e nos avisa do período que temos para arrecadar determinada quantia”, disse Luísa.
O grande dia está chegando! Um grupo de 10 alunos maiores de 16 anos – o número de estudantes e a idade são definidas pela TETO – deve participar diretamente da construção. Os voluntários chegam à comunidade numa sexta-feira à noite e permanecem até o domingo. “A nossa intervenção será nos dias 15 e 16 de outubro, na comunidade Paz e Vida, situada no bairro de Santo Inácio”, avisou Cristina.